Maio 11, 2018 // Comente

Oi genteee! Hoje vou trazer para vocês a história da Joyci Stephany, que passou a valorizar mais os seus cachos desde a época do meu Big Chop! 😀 No depoimento dela, vocês vão ver como é importante que as pessoas ao redor também valorizem o seu processo. Espero que gostem!

E se você quiser mandar seu texto pra mim também, é só acessar essa página e ver como fazer. Quero muito conhecer a sua história!

 

 

Oi Ana. Tudo bem? Bom a minha história é mais sobre aceitação. Desde a época do seu bigshop eu apenas observava sua coragem de #VoltarAosCachos porém nada fazia. Na minha antiga escola eu sofria muito com provocações e bullying, porém no meu último ano naquele colégio eu passei a dar mais valor, contudo ainda tinha medo da definição do volume e tudo mais, tanto é que eu voltei a usar meu cabelo que a raiz ja era bem lisa de ladinho bem abaixadinho com o gel ou usava-o com piranha.

 

 

Mas isso passou. Mudei de escola e vi que lá as pessoas eram diferentes quanto aos seus gostos, nunca julguei ninguém por conta de seu cabelo e lá ninguém me julgou. Então passei a dar mais volume mais definição fazendo mais maquiagem e outras a minha AUTOESTIMA aumentou. Mas ainda assim tinha vergonha do meu passado, com essa vergonha eu fui no meu Facebook e apaguei tudo TUDO do meu cabelo antigo. Mas depois de um tempo percebi que eu não deveria ter feito, aquilo era uma fase. Entretanto eu cresci e aprendi a guardar cada pedacinho de mim como algo que eu possa usar pra futuramente incentivar outras garotas. Eu fui ao perfil do face do meu pai procurar um antes porque senão, não haveria como eu lhe mostrar a diferença.

 

Maio 10, 2018 // Comente

 

O Dia das Mães tá quaaaaase aí (já é domingo!) e você ainda está pensando no que dar para a sua mãe? Que tal dar algo bastante original feito por você mesma? Esses projetos de artesanato que separei para vocês são incríveis por dois motivos: além de não custarem tanto, ainda são bem mais diferentões e exclusivos (sem contar que as nossas mães amam muito tudo aquilo que foi feito pela gente, né?). Dá até para aproveitar com coisas que tem em casa, viu? 😉

 

 

1. Mousepad floral

Usando uma folha grossa de cortiça e um tecido bem bonito, dá para fazer um mousepad para acompanhar a sua mãe no escritório onde ela trabalha. Uma maneira original e delicada de deixar o dia dela ainda mais colorido. Veja o tutorial.

2. Mural de fotos

Imagina que incrível fazer um super mural com várias fotos sua e da sua mãe bem juntinhas, celebrando momentos incríveis da relação de vocês? Difícil não chorar e se emocionar com esse presente. Pra deixar ainda mais fofo, vale fazer a moldura das fotos com fita adesiva colorida, dessas que a gente encontra em papelarias. Veja a imagem maior.

3. Organizador de escritório

A gente sempre tem aquelas latas de achocolatado ou outros alimentos sobrando em casa, né? Dá para aproveitar e fazer um porta-lápis bem legal para as mães que trabalham em escritórios. É só colar em um suporte de madeira e pintar tudo com tinta spray dourada! Veja o tutorial.

4. Potes de vidro com bichinhos

Para as mães que amam guardar suas maquiagens e coisinhas de banheiro bem organizadas, é legal aproveitar esses potes de vidro sobrando em casa. Para dar um toque fofo, é só colar bichos de plástico (desses que vendem aos montes em lojas de R$1,99) nas tampas e usar tinta spray colorida por cima. Fica um amor só! Veja a imagem maior.

5. Cortina de nuvens e chuva colorida

Esse é super simples de fazer! É só recortar nuvens e gotas de chuva em papéis coloridos e ir colando em um barbante ou num fio mais grosso. Depois, é só pendurar um do ladinho do outro na parede. 😉 Veja a imagem maior.

6. Kit de emergência

A sua mãe adora docinhos? Então ela vai adorar esse presente! Em armarinhos ou lojas de R$1,99 encontramos super fácil esses organizadores de plástico. Mas, ao invés de colocar itens de costura, você vai colocar vários chocolatinhos, doces e outras gostosuras! Amarre com um laço bem fofo e um cartão pra finalizar a surpresa. Veja o tutorial.

7. Vasos de plantas coloridos

Esse é parecido com o organizador de escritório, mas ao invés de usar como porta-lápis, a sua mãe vai usá-lo como vaso de planta! Você pode usar as latas de alumínio de alimentos que sobraram (tipo de milho, ervilha etc) e pintá-las com cores bem chamativas. Se quiser, ainda dá para usar uma caneta posca branca e desenhar alguns detalhes. Veja o tutorial.

8. Almofada de pompom

Pra sua mãe decorar a cama dela, que tal usar esses mini-pompons que vendem em armarinho? Dá para colar numa capa de almofada mais básica e criar frases, palavras ou até desenhos. Para grudar os pompons, use cola quente, mas cuidado para não se queimar! Veja o tutorial.

9. Gravetos com pompom

Se a sua mãe é diferentona, ela vai adorar essa ideia! Ao invés de colar os pompons nas capas de almofada, que tal colar em gravetos e criar um arranjo bem festivo para a sua casa? Aí vale comprar pompons de muuuuuitas cores para ficar ainda mais incrível e original. O legal é achar um vaso de vidro pra deixar os gravetinhos dentro. 😉

Maio 4, 2018 // 1 Comentário

Oi genteee! Às sextas-feiras sempre trago histórias lindas de meninas que passaram pelo processo da transição capilar para vocês se inspirarem e não desistirem dos seus caminhos. Hoje, vou compartilhar o depoimento da Ana Luiza Dias, que tem 18 anos e é de Florianópolis, Santa Catarina. A fala dela é muito importante para nós começarmos a refletir sobre os padrões impostos de beleza, e quebrarmos essa corrente. Acho que vocês vão se identificar e gostar tanto quanto eu!

E se você quiser mandar seu texto pra mim também, é só acessar essa página e ver como fazer. Quero muito conhecer a sua história!

 

A saga com meu cabelo começou cedo. Ele sempre foi muito volumoso e tinha pouca definição, talvez pelo fato de que eu não sabia cuidar e minha mãe também não. Meu cabelo vivia sempre amarrado e com bastante gel para evitar o frizz. Então, me sentia horrível com o ele de forma natural, para mim era uma tortura lavar o cabelo e sair de casa com ele solto, porque sabia que quando secasse, ele iria “armar” (acho esse verbo horrível, mas na época eu pensava exatamente assim – infelizmente não nascemos desconstruídas).  Aos 9 anos fiz o meu primeiro relaxamento, e para mim, na época, foi uma grande conquista. Passei a me sentir mais bonita. Afinal, as meninas que eram consideradas as “mais lindas” sempre tinham um cabelo super liso. Eu pensava: “agora sim! só com cabelo liso posso me sentir linda”. E assim, pensei por muitos anos.

 

 

Depois dos relaxamentos, aos 11 anos passei a fazer progressivas. Mas sempre era uma tortura quando a raiz começava a crescer e eu tinha que ver como meu cabelo realmente era. Depois de um tempo meu cabelo ficou MUITO danificado e crescia pouco. Ele não era um cabelo saudável e bonito. Isso começou a me incomodar, porque eu não conseguia mais fazer ele parecer “liso natural” (afinal, meu sonho era ter cabelo liso). Então, em 2014, com 15 anos, fiquei por meses sem fazer progressiva, a raiz estava começando a crescer. Eu estava querendo assumir meu cabelo de vez. Contudo, eu não sabia lidar com a baixa auto estima proveniente das duas texturas que meu cabelo estava apresentando na época. Eu me sentia horrível. Assim, mais uma vez pensei que somente com cabelo liso eu poderia ser bonita e receber aprovação da sociedade, dos meninos, na escola e na vida social em geral. E alisei meu cabelo com progressivas mais duas vezes.

 

 

No entanto, em julho de 2015, o sentimento de insatisfação com a “saúde” do meu cabelo junto aos gastos que eu tinha com progressiva, me surgiu um sentimento de ser quem eu sou, assumir minha identidade, ver o quanto eu poderia ser bonita sendo simplesmente eu mesma. Além disso, passei a perceber os preconceitos enraizados em nossa sociedade, que pressionam muitas meninas a alisarem seus cabelos, sem ao menos pensarem qual o motivo dessa vontade insana de ter cabelos lisos. Então, decidi parar de alisar e durante todos os dias da transição eu nunca usei chapinha. Eu não queria mais ter cabelo liso. Minha meta passou ser esperar meu cabelo crescer e conhecer ele de novo, gostar dele, cuidar… Afinal, desde pequena minha relação com meu cabelo era sempre de insatisfação, nunca tive amor por ele.

 

 

Confesso que minha autoestima ficou MUITO baixa, vários momentos fiquei pensando se eu seria forte mesmo para aguentar esperar e lidar com a dupla textura. Mas sempre tive ao meu redor amigos, família e meu namorado, eles sempre me apoiaram. Logo, em nenhum momento tive que lidar com comentários que me incentivavam a desistir. Muito pelo contrário, sempre recebi todo o carinho e suporte emocional para lidar com os múltiplos sentimentos e pensamentos que a transição nos traz. Assim, quase todas as semanas eu ia cortando um pouco das partes lisas (somente nesses momentos me chamavam de “corajosa”/”doida”, porque nunca tive medo da tesoura). Em maio de 2016 fiz meu big chop, eu mesma, sozinha em casa, às nove horas da noite (não tinha hora para cortar, quando me dava vontade eu metia a tesoura, e nesse dia resolvi ser radical). Aos poucos meu cabelo foi ganhando forma, aprendi a cuida-lo e amá-lo. Foi a melhor coisa que fiz, primeiramente, por mim como pessoa, segundamente, pela saúde e beleza do meu cabelo.

 

 

O que é autoestima pra você? Autoestima é poder se sentir linda sendo você mesma. É poder se olhar no espelho e se sentir feliz, sem precisar ceder aos padrões sociais para se sentir aprovada. 

O que mudou na sua vida depois que você se aceitou? Mudou TUDO. A minha forma de pensar, meu amor próprio e minha autoestima. Hoje me sinto feliz sendo eu mesma. Olho meu cabelo e sinto satisfação, porque sei que ele é assim, e é lindo do jeito que é. Além disso, até os detalhes mais simples mudaram. Hoje posso ir na piscina, na praia, suar… de forma tranquila, sem me preocupar que depois meu cabelo ficará horrível e que terei que lavar, secar e alisar para ficar bonita. Também posso sentir o vento e pegar chuva. Posso viajar e não me preocupar como vou lidar com meu cabelo durante esse tempo fora de caso. Enfim, posso ser eu mesma. Posso amar cada detalhe feito por Deus em mim.

Maio 3, 2018 // Comente

 

Todas as estações do ano vêm também com muita informação de moda. Cada uma delas carrega várias tendências, e é bem difícil de acompanhar todas elas. Acontece que muitas delas estão bem ao nosso alcance, ali dentro do nosso armário — basta olhar com carinho para as peças e revisitá-las com composições mais atuais e estilosas. Trouxe algumas peças que encontramos facilmente no nosso guarda-roupa e várias ideias para utilizá-las. Vem comigo? 🙂

 

 

1. Tudo branco

Os looks de outono/inverno são quase sempre bem escuros, uma mistura de preto, cinza chumbo, verde musgo, vinho e azul-marinho. Mas que tal mudar um pouco e investir no branco para as composições? A roupa toda branca pode ser elegante e bastante moderna, vale experimentar com os itens que você tiver no armário. 😉

 

 

2. Xadrez

O xadrez não para de aparecer nas passarelas pelo mundo. A estampa é super comum durante as estações mais frias, por isso sempre aparece nessa época do ano. Pode ser colorido ou neutro, grande ou pequeno, o xadrez aparece de várias maneiras: só depende do estilo que mais te agrada. Ainda vale misturar com outras estampas, como listrado, floral e camuflado.

 

 

3. Transparência

Peças com transparência são os melhores itens para usar durante a meia estação, quando não tá aqueeeeele frio, mas também não tá aqueeeeele calor, sabe? Além disso, as transparências são versáteis e podem ser usadas sozinhas, com um top por baixo e alguma jaqueta, ou como segunda pele debaixo de vestido.

 

 

4. Gola rolê

Além de proteger daquele ventinho frio, a gola rolê é uma peça linda para deixar o look bem elegante. Assim como as blusas transparentes, a gola rolê pode ser usada tanto sozinha quanto como sobreposição por baixo de outra blusa ou vestido. Para dar mais impressão de um look alongador, é só prender o cabelo no alto e deixar o rosto bem à mostra.

©2018 - Apenas Ana - Todos os direitos reservados // Design por Sara Silva