• #VoltandoAosCachos: Thays Regina Gonçalves da Silva

  • Chegou a nossa vez: make à base de enquetes!

  • Ideias lindas para você começar a usar macacão!

  • fevereiro 16, 2018 // 4 Comentários

    Oi genteee! Sexta-feira eu sempre trago para vocA?s os depoimentos lindos que recebo por e-mail, nA�? Hoje quem compartilha a sua histA?ria com a gente A� a Neide Santos, que mora no GrajaA?, no MaranhA?o, e A� dona do Vida de Crespa no Instagram. Espero que vocA?s gostem tanto quanto eu!

    E se vocA? quiser mandar seu depoimento pra mim tambA�m, A� sA?A�acessar essa pA?ginaA�e ver como fazer. Quero muito conhecer a sua histA?ria!

     

    Inicio dizendo que o relato aqui escrito serA? bastante impactante! Rs

     

     

    Filha de pais negros, nascida no sertA?o do MaranhA?o, e por muito tempo fui infeliz acreditando que a beleza era aquilo que a sociedade prega.

    Quando pequena e atA� a pouco tempo, a insatisfaA�A?o comigo mesma era muito presente em minha vida, e um dos motivos era o cabelo “ruim”. SEMPRE me rotularam como a mais feia da famA�lia, “a ponta da rama”, “a negrinha do cabelo ruim”, “cabelo de fuA?” “super choque” “cabelo duro”.

    Isso me fazia muito mal, ouvia isso constantemente e principalmente dos meus familiares, amigos, escola, atA� msm recentemente na faculdade de forma velada sofri e como eu sofri! Principalmente na infA?ncia! Cheguei muitas das vezes A� acreditar que nA?o era da minha famA�lia, me fizeram por muito tempo acreditar que eu era sim o patinho feio.

    Com aproximadamente 6 anos de idade minha irmA? fez meu primeiro alisamento quA�mico, lembro perfeitamente daquele momento, pois ali pude me sentir linda, “aceitA?vel”, autoestima saiu do zero e foi pro cA�u, e desde entA?o nA?o parei mais de usar quA�micas, atA� hA? pouco tempo. Hoje com um pouco mais de 20 anos, fazendo uma retrospectiva de tudo isso, vejo como a sociedade principalmente, A� desumana e crueu, eu, uma crianA�a, onde a famA�lia nA?o foi meu porto seguro, nA?o tinha sabedoria pra me apoiar, me dizer que eu era linda, dizer que nA?o era verdade o que falavam ao meu respeito. Mas, nA?o culpo meus pais, pois acredito que tudo foi apenas uma reproduA�A?o do que a sociedade nos impA�e.

     

     

    Contudo isso, eu VENCI!

    PorA�m, nA?o foi fA?cil, atA� eu acreditar que eu poderia ser linda sim do jeitinho que Deus me fez, cheguei a falar que nunca passaria por esse processo de transiA�A?o capilar, pois nA?o “gostava” de cabelo crespo, nA?o em mim. (Lembro de um episA?dio, quando fui A� praia pela primeira vez, nA?o entrei no mar por medo de molhar o cabelo, hoje minha maior vontade A� retornar ao mar pra mergulhar, livre como um peixinho).

    Aos poucos comecei a me interessar pela idA�ia de ser quem eu sou em minha essA?ncia, principalmente apA?s o contato com a Universidade, onde atribuo em primeiro lugar toda minha transformaA�A?o e empoderamento. Enfim, foi onde desconstruiA� toda essa idA�ia que a mim foram imposta.

     

     

    Em segundo lugar, nA?o menos importante, atribuo a todas vocA?s aqui da @ internet, sA?o uns anjos que Deus colocou na minha vida e de muitas meninas. Fiquei inquieta, comecei a pesquisar sobre o assunto, queria passar pela transiA�A?o, nA?o aceitava mais me negar, deixar de ser quem eu sou, vocA?, Ana LA�dia, com seus vA�deos me motivaram muitoooooo, vocA? nA?o tem idA�ia! Comecei minha transiA�A?o em 23 de outubro de 2016 e desde entA?o nunca mais fiz nenhum processo de alisamentos.

    Com a intenA�A?o de ser ajudada por outras meninas, criei uma conta no Instagram, intitulada @vidadecrespa. Que em terceiro lugar atribuo a minha vitA?ria a minha pA?gina,A� que passou a ser a minha maior motivaA�A?o pra continuar, nA?o sA? por mim, mas por outras meninas que se inspiravam em mim, SIIIM, isso mesmo, atravA�s dos meus post pude compartilhar toda minha histA?ria capilar, onde eu passei a dar dicas sobre transiA�A?o capilar e como vencer, foi aA� que disse: eu precisoA�serA�mais forte ainda, nA?o sA? por mim, mas por todas essas meninas. E outra coisa, o que me ajudou muito tambA�m nesse processo, foi as texturizaA�A�es, usei durante toda a transiA�A?o a texturizaA�A?o de coquinhos, foi a forma que encontrei de lidar com as duas texturas durante a transiA�A?o, ficava maravilhosos os resultados.

     

     

    Com isso, depois de 5 meses fiz o BIG CHOP, cortei tudooo, inclusive aquilo que nA?o me fazia mais sentido, como baixo autoestima, preconceito, enfim… euA� mesma quis fazer o corte, pra ter a sensaA�A?o de “ISSO NA?O ME PERTENCE MAIS”.A� Foi lindo, libertador real, nA?o acreditava que poderia ser como tantas outras meninas falavam, “LIBERTADOR” passei horas no espelho me olhando EMOCIONADA e grata A� Deus.A� Hoje com 6 meses pA?s BIG CHOP e quase 1 ano livre de quA�micas, posso perceber o quanto estou feliz, o quando ser quem vocA? A� de verdade faz sentido pra vida.

     

     

    O que A� autoestima pra vocA?? Autoestima A� amor. A� vocA? se amar independente do que A� imposto como bonito, pois se vocA? se ama, esse amor vai refletir no seu exterior, e autoestima nos leva a ser quem somos de verdade, sem medos!

    O que mudou na sua vida depois que vocA? se aceitou?A�Hoje sou linda, por fora e como pessoa, esse processo me trouxe muitas coisa lindas, muitos aprendizados, me transformou em uma pessoa melhor, passei a amar as pessoas como elas sA?o, independente das diferenA�as, independente de cor, raA�a ou etnia.A�Hoje eu me amo e procuro transmitir o melhor de mim desse aprendizado as pessoas que consigo alcanA�ar.

    DE UM PATINHO FEIO AO CISNE <3

    Ah, eu ainda vou te conhecer pessoalmente, eu espero, vocA? A� incrA�vel, Deus te abenA�oe por vocA? se permitir ser usada como instrumento de transformaA�A?o na vida de tantas pessoas, ParabA�ns!

    1. Izabela fev 16, 2018

      Sua história é linda, que bom que vç se descobriu e se aceitou e além de tudo jamais desistiu de você sei que é (foi) bastante ruim passar por isso assim como eu passei mas vencermos e hoje podemos ver essas fotos antigas e perceber que foi apenas uma faze ruim que serviu como um aprendizado ?❣✳

    2. Neide fev 16, 2018

      Aaaah, meu amor, OBRIGADA por compartilhar um pedacinho da minha história. ❤

    3. Thayane Soares fev 16, 2018

      Lindaa? sei que não foi fácil passar por tdo isso. Lendo sua história da p imaginar o quanto vc sofreu,e muitas jovens hj estão passando por isso. E lindo oq vc fez pq dá força p outras meninas se descobrir e saber q são lindas como o Criador fez. Como aquele ditado diz”em terra de chapinha quem tem cabelo cacheado é rainha”!?

    4. Vanessa fev 17, 2018

      Linda linda Linda!
      Me inspiro muito em vc.
      A minha história é um pouco parecida com a sua Neide. 15 anos da minha vida eu usei alisamento quimico, me sentia depende daquilo pra me sentir bem. Até que resolvi me descobrir, me aceitar!
      Passei tbm pelo processo de transição capilar, eh uma fase mto difícil. Mas o resultado é incrível. Eh lindo, eh maravilhoso!
      Depois que fiz o BC, no primeiro momento me sentir mto estranha. Mtos gostaram do resultado, outros ainda criticam.
      Mas o que importa eh o que eu sinto. Tô me amando ainda mais!!! ??❤????

    ©2018 - Apenas Ana - Todos os direitos reservados // Design por Sara Silva