• #VoltandoAosCachos: Ana Rita Pardim

  • Como decorar seu quarto com plantinhas

  • #VoltandoAosCachos: Nádia Ribeiro

  • fevereiro 9, 2018 // Comente

    Oi genteee! A Hanna Evangelista Silva compartilhou a sua história de #VoltandoAosCachos comigo por e-mail e agora estou postando para vocês conhecerem também. Ela é de Uberlândia, Minas Gerais, e tem 14 anos. Espero que gostem de ler o depoimento tanto quanto eu! 🙂

    E se você quiser mandar seu depoimento pra mim também, é só acessar essa página e ver como fazer. Quero muito conhecer a sua história!

     

    Tudo começou na infancia, era a unica “diferente” não tinha nada que me representasse quase todos meus coleguinhas tinham cabelo liso então tinha medo de não aceitarem meu cabelo por isso sempre usava meu cabelo bem preso, até ficava com dor de cabeça pois não podia ficar nem um fiozinho pra cima.

     

     

    Como quem arrumava meu cabelo era minha mae um dia precisava ir para escola mais ela estava no seu primeiro dia de trabalho então meu pai me arrumou e deixou meu cabelo solto,fui para escola e quando entrei já recebi olhares estranhos com um ar preconceituoso ate dos professores,entrei na sala e riram de mim,ficavam puxando meu cabelo chamando de cabelo ruim lembro como se fosse ontem desse dia voltei pra casa e chorei muito.

    Foi assim até os meus 12 anos quando fui para um salão porque queria ter um cabelo “normal” ou pelo menos com menos volume que foi o quem a mulher disse para minha mãe que ia definir meus cachos e ia perder um pouco do volume,acreditei e fiz um alisamento muito forte,nos primeiros 2 meses me sentia incrivel não via olhares ruins das pessoas mas comecei a me achar feia nao gostava de nada em mim,nem do meu cabelo nem do meu corpo enfim nao gostava de mim.

     

     

    Meu cabelo estava muito ressecado então pesquisei no YouTube hidratação para cabelos ressecados fiquei horas vendo videos de cabelo cacheado até que achei algo que era o tal da “transição capilar” coloquei isso na minha cabeça e passei a minha transição com uma alto estima PESSIMA, até que nao aguentava mais então conversei com minha mãe que queria meu cabelo de volta.

     

     

    Fomos no primeiro salão que vimos e marcamos meu big chop, uma semana depois voltei para corta-lo estava muito feliz por finalmente estar fazendo o melhor para o meu cabelo, cortei e me olhei no espelho me senti tão linda, e liberta de tudo o que me impedia de me sentir bonita e feliz, era realmente o que eu queria para mim, no dia seguinte fui para escola as pessoas me elogiaram (acho que foi o dia que mais recebi elogios na vida) mais sabia que iria receber comentarios negativos mais nada me abalou, pois sabia quem eu era e que tinha feito o melhor para mim.

     

     

    O que é autoestima pra você? E o sentimento de se sentir bem consigo mesmo, ser confiante.

    O que mudou na sua vida depois que você se aceitou? Minha auto estima, confiança e até mesmo meu estilo o que antes eu achava bonito, mais so nos outros, uso e me acho maravilhosa atualmente!

    fevereiro 2, 2018 // Comente

    Oi genteee! Nessa sexta-feira, trouxe o depoimento da Vanessa Stefanye da Silva Santos, que mora em Barueri, São Paulo, e tem 22 anos. Ela me mandou a sua história por e-mail, e vocês podem continuar acompanhando pelo Instagram e pelo Facebook! 🙂

    E se você quiser mandar seu depoimento pra mim também, é só acessar essa página e ver como fazer. Quero muito conhecer a sua história!

     

     

    Bom, sempre fui muito “pé atras” comigo mesma quando se tratava de beleza, mas isso tinha uma razão EU ERA BEM ZOADA por colegas de classe por todas as séries que passei.

    Desde sempre tive o cabelo enrolado, mas como sempre cansada de ser o “Patinho feio” da turma resolvi alisar meus cachos, eles eram grandes e definidos, mas o que eu não tinha era cuidado até por ele ser bem armado e eu não gostava de modo algum. Enfim, passei o tal relaxamento e foi ai que meu cabelo teve uma grande queda, Nossa, foi terrível! nos primeiros dias ficou lindo, mas depois aconteceu de eu perder(literalmente)aquele cabelo lindo que eu tinha. Desde então fiquei viciada em chapinha, em deixa-lo bem alisado, nenhum fio fora do lugar, aquela perfeição sabe!? pois bem, e isso foram anos e anos dessa mesma forma, chapinha todo santo dia.

     

     

    Se passaram 6 anos dependente de progressiva nesse cabelo eu fiquei doente, tive um problema grave de circulação e os remédios fizeram com que mais uma vez meu cabelo caísse mas apenas do lado direito da minha cabeça e isso mexeu muito com meu emocional que foi ajudando muito na queda. E um belo dia, ou melhor, uma bela noite fuçando no You Tube assisti um vídeo de uma moça que estava passando pela transição e eu pensei: EITA, AMANHA COMEÇO!!!fiquei tãaaaao empolgada, comecei e assim fiquei durante 3 meses, foram bem difíceis por que aquelas duas texturas me matavam, como fui impaciente fiz meu BC logo, mas antes eu havia cortado ele até os ombros. Meu BC foi libertador, no mesmo dia tinha um evento da minha igreja para ir e fui com a cara e coragem, e muitos olhares maldosos, encantados e até preocupados foram percebidos por mim, mas eu não estava nem ai, queria era meus cachos de volta!!! Hoje tenho 1 ano e 7 meses de cacheada, posso dizer que foi uma das decisões mais sabias da minha vida!!

     

     

    Para mim a auto-estima é o que vivo hoje! Auto estima além de beleza é a paz interior dentro de nós, e saber que NUNCA vamos ser bem vistas por todos(e nem devemos ser) mas que estamos nos amando, nos aceitando, nos aplaudindo, nos namorando, nos vendo como perfeitas assim do jeitinho que somos, e a melhor parte da transição é isso saber que nos descobrimos como realmente somos e que não foi fácil chegar até aqui, então, valorizamos mais!!!

    Minha vida mudou para muito melhor por saber que posso realmente ser EU, EU VANESSA STEFANYE DA SILVA SANTOS, saber que posso sim ser imponderada assim, gordinha, negrinha e agora… cacheadaaaaaaa ?

    janeiro 26, 2018 // Comente

    Oi, genteeee! Vou compartilhar com vocês o depoimento incrível que a Islânya Maria Reis Sousa me mandou por e-mail. Ela tem 20 anos, mora em Carapicuíba, São Paulo, e começou a alisar o cabelo aos 10 anos de idade! Tenho certeza que muitas de vocês vão se identificar com a história dela. Para continuar acompanhando essa linda, é só seguir no Instagram ou no Facebook. <3

     

    Alisei meu cabelo pela primeira vez com 10 anos de idade. Loucura? Não, padrão de beleza!

     

     

    Um cabelo bonito era um cabelo liso. Eu estava entrando na pré-adolescência e a vaidade começou a aumentar. Nenhumas das minhas amigas tinham cabelo cacheado, e as que tinham viviam com ele preso e cheio de gel que era pra diminuir o volume.

    Fazer escova progressiva, pra mim, naquela época foi a minha “liberdade” e “aceitação”. Eu amava meu cabelo, mas ele não era realmente meu.  Não vou mentir e dizer que não fui feliz com meu cabelo alisado, eu fui sim muito feliz com ele e não me arrependo de ter feito isso.

     

     

    Mas chegou uma hora que eu cansei! Cansei do cheiro forte do produto, cansei de ficar 4 horas sentada em uma cadeira pra poder concluir o processo, e cansei de passar por tudo isso de 3 em 3 mês.

    Eu não conhecia a Transição Capilar, eu só decidi parar de alisar. A partir dai comecei a procurar formas de disfarçar a parte alisada, e acabei encontrando um vídeo da Ana sobre como cachear as partes lisas na transição e vi toda a trajetória do cabelo dela.

    Ver outras pessoas que passaram por isso e conseguiram superar o preconceito, a baixa autoestima e a vontade de desistir foi muito importante para estimular a minha vontade de vencer também.

     

     

    Em Março/2017 completei um ano que fiz escova progressiva pela ultima vez, e agora sim minha liberdade e aceitação são reais.  Me amar exatamente do jeitinho que Deus me fez me permitiu perceber o quanto nós ficamos fixados na ideia de se enquadrar em um  “perfil” e  deixamos de lado o que realmente nós somos.

    Ame seu cabelo, sua raça, seu corpo, suas crenças, e você vai sentir um poder que nunca imaginou ter. Empodere-se!

     

     

    O que é autoestima pra você? É se amar e se aceitar com todas as qualidades e defeitos.

    O que mudou na sua vida depois que você se aceitou? Eu entendi que a beleza de uma mulher com cabelo liso não tira a minha beleza com cabelo cacheado. As nossas particularidades nos tornam lindas.

    janeiro 19, 2018 // 1 Comentário

    Oi genteee! Sexta-feira é dia do quê mesmo? De post #VoltandoAosCachos! 😀 Esse cantinho é todo de vocês, para compartilharem suas histórias, seus conhecimentos e seus pensamentos. Hoje, a Bélit Araújo veio dar seu depoimento sobre a sua transição. Espero que vocês gostem e também se identifiquem!

    E se você quiser mandar seu depoimento pra mim também, é só acessar essa página e ver como fazer. Quero muito conhecer a sua história!

     

    Bom, pra você entender melhor como eu fiz isso, devo te falar um pouco da minha história com meu cabelo. Eu alisei meu cabelo, a primeira vez, aos 14 anos por pressão psicológica. Eu me achei a diva (gatona do rolê kkkk). Desde então, a cada 6 meses eu repetia o processo de alisamento químico e todos os dias eu “pranchava” porque a raiz insistia em aparecer toda cacheadinha (abusada né? kkk). 

     

     

    Quando fiz 23 anos decidi parar com aquilo, já estava exausta de passar o dia em frente ao espelho queimando meu cabelo ou negar ir na piscina com os amigos, mas não tinha ninguém pra me falar como eu deveria cuidar do meu cabelo, nem se meu cabelo iria voltar, aliás, eu nem lembrava de como era meu cabelo.

    Na época eu pesquisei muito sobre isso, tentei achar alguém pra me ensinar sobre cabelo cacheado. Foi então que descobri que a primeira coisa que eu tinha que fazer era cuidar do meu cabelo, fazer muita hidratação, seguir um cronograma capilar pra deixa-lo forte, saudável e grande. Sim, grande! Ele deveria crescer até onde eu quisesse cortar, e foi isso que fiz. Quando a parte cacheada cresceu até os ombros eu cortei o máximo que pude, para tentar tirar a parte lisa. Depois descobri que isso se chama BC (big chop = grande corte). Essa foi a segunda coisa que fiz!

     

     

    Depois do BC os cachos foram aparecendo e tomando forma, mas ainda tinha algumas partes lisas e sem forma, algumas partes ressecadas e sem vida também eram visíveis. Percebi que os cuidados que eu tive na transição deveriam permanecer, então continuei com o cronograma capilar e associei a massagens no couro cabeludo (usei essa técnica também na transição), isso ajudou na circulação sanguínea e fez meu cabelo crescer mais rápido. Cuidei muito bem da minha franja com umectação, pois ela ainda estava muito fragilizada.

    Com todos esses cuidados e sempre cortando bem, o cabelo foi crescendo saudável e os cachos tomando sua forma. Hoje eu não me vejo mais de cabelo liso, essa é minha raiz, eu sou cacheada e amo meus cachos!

    O que é autoestima pra você? É ter o poder se sentir livre para ser feliz e inspirar outros (as).

    O que mudou na sua vida depois que você se aceitou? Tudo! Posso dizer que agora tenho a minha própria identidade e não vivo mais sobre pressão da sociedade e de mim mesma. Sou livre e feliz!

    ©2018 - Apenas Ana - Todos os direitos reservados // Design por Sara Silva