• #VoltandoAosCachos: Ana Rita Pardim

  • Como decorar seu quarto com plantinhas

  • #VoltandoAosCachos: Nádia Ribeiro

  • junho 1, 2018 // Comente

    Oi genteee! Sexta-feira é dia de #VoltandoAosCachos, e no post de hoje, vim compartilhar com vocês a história da Estefanie Ramalho. Estefanie tem 16 anos e mora em Socorro, no estado de São Paulo. Ela me mandou o depoimento por e-mail junto com as suas fotos, e você também pode fazer o mesmo! É só acessar essa página e ver como fazer. Quero muito conhecer a sua história!

     

    Desde que me entendo por gente  (acredito que toda cacheada) sofro pelo hipocrisia das pessoas ao meu redor, eu nunca tive amigos na escolinha, todos mantinham distância, me chamavam de piolhenta, porém eu nunca peguei piolho, sempre tive o cabelo bem cuidado. Uma coisa que marcou muitos minha infância foi o comercial da Johnson&Johnson, que dizia que o banho (a hora de lavar o cabelo, e tals) é o momento de união entre mãe é filha, o que era totalmente o oposto comigo pois esses momentos eram marcados por ódio, gritos e lágrimas.

     

     

    Eu acabei entrando em depressão devida a toda essa carga negativa que eu adquirir, minha vida toda acreditei que o problema estava em mim, que eu era errada, e esse drama todo seguiu ate meus 12 anos (2013) que foi quando eu não aguentava mais ficar isolada, recorri ao alisamento que era uma mistura de relaxamento com progressiva… Pronto, estava tudo resolvido, agora todos gostariam de mim! Engano meu, o cabelo ficou totalmente estragado, todo estourado, agonizando e agora meu apelido era vassoura (pois de fato o aspecto era esse)…

     

     

    Um dia depois de tanto ser zoada na escola eu cheguei chorando e me tranquei no banheiro, olhei bem pro espelho e vi no que tinha me tornado, eu já não me reconhecia, estava infeliz, foi então que cheguei a conclusão o problema está nos outros, aí resolvi deixar que os outros falassem, eu me encontrei e estava feliz, e isso é o que importava.

     

     

    O que é autoestima pra você? É valorizar-se, se amar, se respeitar, se aceitar, independentemente do que as pessoas ao seu redor digam.

    O que mudou na sua vida depois que você se aceitou? Absolutamente tudo, agora todas as minhas fotos são sorrindo, sou totalmente segura de mim, eu deixei de ser aquela pessoa fútil que se preocupava com a casca e agora foco na essência, parei de simplesmente existir e passei a viver! 

    ©2018 - Apenas Ana - Todos os direitos reservados // Design por Sara Silva