• Meus looks de Março: vamos nos inspirar?

  • #VoltandoAosCachos: Aparecida Nascimento Cesar

  • Como usar looks mais arrumadinhos sem salto?

  • dezembro 22, 2017 ----------- Voltando Aos Cachos

    Oi genteeee! Hoje na categoria #VoltandoAosCachos, trouxe o depoimento da Mel Gonçalves. Ela tem 14 anos, mora em Videira, Santa Catarina, e ainda é a responsável pelo #ApenasAnaMoments, um fã-clube que existe desde janeiro de 2017! Mel, obrigada pelo carinho e por compartilhar com a gente a sua história linda. Espero que vocês também gostem!<3

     

    Desde minha infância o meu cabelo foi um imenso problema para mim. No colégio, meus colegas tiravam sarro de mim, me chamando de bruxa e outras coisas pelo volume do meu cabelo. Cresci com a certeza de que eu era feia, inútil e tinha algo de muito ruim comigo, e, com a textura de meu cabelo. Lembro-me da primeira vez que me vi de cabelo alisado, sem frizz nenhum e volume. Era como ver no espelho o que eles sempre cobraram de mim, era como finalmente se encaixar em um padrão que agora era alcançável. Eu não sabia se aquilo significava realmente se sentir bonita, mas eu estava como todas as outras meninas que já conheci. O tempo foi passando e auto estima nunca deixou de ser um pesadelo na minha vida. Chorar noites e noites lembrando de comentários ruins que as pessoas diziam de mim, não aceitar que eu era diferente e possuía um propósito de vida. Através de meu olhar solitário e vazio, todo mundo que me conhecia conseguia notar que a minha imagem não era algo positivo para mim.

     

     

    O ano de 2015 acabou e minha certeza de que cabelo liso era algo bom para mim, também. Fui surpreendida por uma mudança gigante na minha vida, muitas pessoas se afastando de mim, novos pensamentos, novos desejos… Foi em uma daquelas noites tristes em que eu me sentia mal que caí no canal da Ana Lídia Lopes, e, a partir daí, meu coração ganhou um novo rumo. Transição capilar? Oque seria isso? Eu me perguntava. Até pesquisar muito sobre o termo, técnicas e mais, deixei a química de lado e decidi dar uma chance para os meus cachos. A verdade é que eu mal sabia no que aquilo iria resultar, como meu cabelo era, mas eu precisava e tinha muita sede de mudar e mostrar para as pessoas que eu poderia sim dar a volta por cima. Em 2016 inteiro, meu cabelo rejeitou muitos produtos, foi difícil para mim entender que ele tinha seu tempo. Eu usava algumas técnicas erradas, mas com as dicas incríveis da internet eu pude compreender como cuidar dele com todo carinho. Ele não estava o cabelo mais lindo do universo, mas ele estava meio que se apresentando para mim.

     

     

    Quando o ano seguinte acabou, decidi tomar mais uma decisão importante. Fazer um corte adequado ao meu tipo de cabelo, assim, ele poderia vir a cachear mais e minha transição poderia acabar. Posso dizer, hoje, que foi uma das melhores decisões que já tomei (claro, depois de decidir não usar mais prancha). O corte que fiz deixou meu cabelo com cachos lindos, os cachos que tinha quando era criança. As pessoas começaram a reconhecer o quanto eu estava única e bonita do meu jeitinho, assim, também perceberam que eu me aceitei antes de qualquer mudança. Hoje eu recebo elogios de muita gente que já me rejeitou. Quando meu cabelo não cacheava tanto mas mesmo assim eu persisti nele, as pessoas questionavam o porque eu não voltava a alisar. Mas agora, que tudo tinha passado e meu cabelo natural estava ali para arrasar, elas sempre davam um jeito de me dizer que eu fui corajosa e muito verdadeira para assumir meu cabelo cacheado natural. 

     

     

    O que é autoestima para você? Acho que autoestima revela o valor que você oferece a si mesmo, apesar dos dias ruins e das dificuldades que já enfrentou. A verdade é que você não vai ter autoestima depois que as pessoas ao seu redor te acharem bonita, isso acontecerá quando você se olhar no espelho e reconhecer a sua singularidade. Persista, insista, lute para viver sua beleza. Todas nós somos incríveis o suficiente para sentir a maravilhosidade que é o amor próprio. Após adquirir autoestima, e, finalmente, entender o que ela é, você sente que pode conquistar o mundo sendo apenas você mesma. Afinal, todas nós podemos se amarmos o que somos.

    O que mudou na sua vida depois que você se aceitou? Posso fielmente dizer que tudo. Antes eu tinha medo de conhecer pessoas novas, me socializar com quem estava ao meu redor, era muito tímida e insegura comigo mesma. O que eu sentia era que antes mesmo de me apresentar para alguém, aquela pessoa iria me achar feia ou estranha. Hoje as coisas são diferentes, pois criei uma força que ás vezes parece não vir de mim. Tudo bem se alguém não gostar de quem eu sou aparentemente, porque eu sinto e reconheço meu próprio valor. Podem existir milhares de pessoas melhores que eu, mas eu me amo assim, exatamente como eu sou. E não há nada que se compara a segurança e a paz interior de ser quem você deseja ser, e de não precisar de ninguém para entender isso. Quero que as pessoas um dia se vejam como Deus as veem, não como o mundo. Talvez assim seríamos mais gratos e abriríamos os olhos para a vida incrível que merecemos ter.

    1. Aparecida nascimento dez 28, 2017

      Mel linda! Amei sua história <3

    Apenas Ana (C) 2017 DESIGN POR SARA SILVA